Moda & Beleza

Coletor Menstrual: motivos de sobra para usar

Sustentabilidade, economia, saúde praticidade... descubra todas as vantagens do coletor menstrual
Letícia Genesini
20 de julho de 2017

Há quase dois anos troquei os absorventes convencionais por um coletor menstrual. Na época não era algo tão falado, e não era tão fácil achar marcas aqui no Brasil. Eu ligava em uma, eles estavam esperando a importação da Alemanha (porque tudo que é sustentável vem da Alemanha?), mandava email para outra, ninguém respondia. Mas no fim deu certo. Hoje é muito mais fácil, ainda bem (vamos todas agradecer a Jout Jout, por isso?)! Mas mesmo assim muita mulher não conhece o coletor ou tem receio de usar. Então vamos falar sobre isso?

A principal vantagem, a meu ver, do coletor é não criar lixo. Imagina que você vai ficar menstruada todo mês dos 15 aos 45 anos. Uma menstruação dura uns 5 dias, e você deve trocar o absorvente (se externo) no máximo a cada 8 horas — já entendeu o desperdício? Isso sem contar com as variantes esdrúxulas que a cada ano são inventadas para você ser convencida que precisa realmente de mil tipos diferentes de absorventes em um único ciclo. Já o copinho, é 1. Se você tiver filhos, ou sua parede vaginal mudar ao longo dos anos (acontece, viu? nosso corpo tá sempre evoluindo), talvez compre mais, mas nada comparado aos milhares de absorventes jogados no lixo.

Aí com menos desperdício vem também economia de dinheiro no seu bolso, e de tempo. Sabe aquele momento sacal que você precisa ir na farmácia só porque esqueceu que seu ciclo começava hoje? Então isso para de existir. O copinho tá lá, te esperando. Isso sem falar em não ter que se preocupar em trocar toda hora — normalmente troca-se a cada 12 horas.

Outra grande vantagem é pra saúde. A mucosa vaginal é uma das áreas mais delicadas do nosso corpo, certo? Então espera-se que os produtos feitos para entrarem em contato com ela sejam os mais puros, certo? Errado. O absorvente (tanto interno, quanto externo), é feito quase absolutamente de materiais sintéticos que não deveriam passar tanto tempo em contato com uma pele tão delicada. Não é à toa que tanta mulher tem alergias aos absorventes (mas guarda esse incômodo pra si, né?). A camada plástica também pode piorar infecções. Isso sem falar na rara Síndrome do Choque Tóxico (SCT), que pode até matar.

Legal, Letícia. Entendi. Absorvente descartável foi realmente uma invenção estúpida. Mas o coletor não incomoda? Não é difícil de por? Qual que eu compro?

Bem. Vamos lá. Começando da última: você vai ter que testar. Existe duas importantes variáveis na escolha do coletor: a rigidez do material, e o tamanho do copinho. A primeira depende se você tem um assoalho pélvico forte (amém!) ou se você faz muitos exercícios que ativam ele (yoga, pilates, crossfit, etc). Eu comprei um que não dizia ser especialmente rígido, mas agora ele já não está muito bom pra enfrentar minhas aulas de yoga, por isso vou comprar meu segundo. Mas quem conhece melhor seu assoalho pélvico, é você, mana.

Quanto ao tamanho, as marcas geralmente apresentam 2, o menor, para mulheres mais jovens e/ou com colo de útero baixo e/ou que não tiveram filhos, e o maior, para as mulheres com mais de 35 anos e/ou colo de útero alto, e/ou que tiveram filhos. Sim, as classificações não são claras, porque cada vagina é um floco de neve único, minha cara, então a gente vai ter que fazer algo que não fomos educadas a fazer: conhecer muito bem a nossa. Outra coisa que ajuda é falar com as amigas que já usaram, trocar dicas, experiências.

Essa para mim é a segunda grande vantagem do coletor. Fazer a gente entender de fato nosso corpo. Se a hora de escolher o copinho já é uma grande reflexão pra muitas mulheres, a hora de por então, nem se fala! Assim já respondo à segunda pergunta: é difícil de por? Apenas se você não tem familiaridade com sua vagina, e aí, essa é uma oportunidade linda para começar a ter!

E quanto à primeira questão: incomoda? Não. Nem um pouco. Mesmo. O que incomoda é quando alguém sussurra que precisa pegar um absorvente. Me incomoda a ideia que menstruação é algo incômodo pra ser falado baixo q com vergonha. Então, vamos falar?