Letícia Genesini
22 de maio de 2018

Brunch não é criação das redes sociais, mas bem que parece ter sido. Não há nada mais compartilhável que uma mesa com avocado toasts, ovos pochê, café etc passando pelo seu feed do Instagram. Tanto que a palavra é usada bem soltamente — e nada contra isso, quanto mais ovo pochê, melhor!

Brunch é a união de “breakfast” & “lunch”. Ou seja uma refeição pra aqueles dias em que você acordou tarde, então ela não é almoço, dado que vai ser seu desejum, mas também não é bem café da manhã porque já é quase meio dia e talvez você queira a licença poética de pedir um drink com seus ovos. Embora a gente bata cartão pela cidade em autodenominados brunchs que na verdade são cafés da manhã fotogênicos, resolvemos fazer uma lista dos nossos brunchs reais oficiais preferidos. Lá vai:

Enoteca Saint Vinsaint

Recentemente a Enoteca partiu nossos corações ao fechar seu horário de almoço, fazendo que seus almoços executivos com vinhos naturebas fiquem só na nossa saudosa memória. Mas descobrimos que foi por uma boníssima causa, pois agora eles têm brunchs aos sábados.

Para quem não conhece a Enoteca, dá um pause, leia esse artigo, e volte aqui depois. Ficou com preguiça de ler? Resumo da ópera: lá tudo é local, sazonal, orgânico, de pequeno produtor (que muitas vezes são eles mesmos) — em suma: criado solto.

O brunch rola aos sábado, das 11h às 16h. No menu (que talvez não seja o mesmo quando você for devido à sazonalidade) você encontra desde o pão de fermentação natural de espelta (trigo ancestral que eles usam para fugir de espécies que sofreram seleção artificial) com manteiga fermentada, passado pela frigideira de ovos caipiras (das galinhas deles) com refogado de tomate e ora-pro-nóbis ou major gomes (foto acima) até gnocchi de batata doce. Sem contar os quitutes do balcão: doces maravilhosos que fica difícil escolher.

Nas bebidas tem café de pequeno produtor com leite de gado gir (que é tirado no dia e mandado para Enoteca) ou leites vegetais, além de kombucha, kefir de lírio do brejo (um parente do gengibre), leite de cúrcuma, como também cidra, cerveja de fermentação expontânea, taça de vinho e petnat de jabuticaba (espumante de fermentação natural). Ou seja, dá pra ficar até acabar, e ainda aproveitar que agora de sábado tem uma feirinha de xepa orgânica lá (leia a história dessa feira aqui).

Rua Professor Atílio Innocenti, 811

Tavares

Sempre falo, mas vale a pena repetir: melhores ovos beneditinos de São Paulo são do Tavares. Tanto que nunca consigo ir lá no brunch e pedir outra coisa. Mas também é difícil resistir aos doces da sua confeitaria.

Vale lembrar que os pães de fermentação natural são feitos na casa e estão à venda na mercearia (junto com os doces). Para quem não ficou satisfeito em comer e levar pra casa, eles também organizam quase que mensalmente oficinas de panificação com fermento natural — para saber a próxima, mande um email para eventos@saopaulosaudavel.com.br.

Outra vantagem do Tavares é que o brunch acontece tanto sábado (das 10h às 14h), quanto domingo (das 10h às 17h).


Cateto Pinheiros

Para o brunch do Cateto de Pinheiros (servido aos finais de semana) vale a pena vir com fome mesmo, pois mesmo o menu tendo muitos pratos à la carte, você irá querer os combos do menu. Para quem não conhece, lá todos os embutidos são artesanais, assim como os queijos (que são de alguns dos melhores produtores brasileiros), pães e por aí vai. A carta de vinhos também possui muitos naturebas, inclusive alguns brasileiros (como o Faccin da foto tirada pela Drika Figueiredo)!

Se não fosse tudo isso, o ambiente ainda é uma delícia. Sugerimos chegar cedo ou reservar, porque tem dia em que a casa lota. Vale a pena também visitar a unidade da Mooca.

Rua Francisco Leitão, 272

A Baianeira

Antigo “Quem Quer Pão”, o “A Baianeira” mudou seu nome reforçando as raízes da sua comida: baiana + mineira — que, como eles falam, é a Comida do Vale do Jequitinhonha. Pra começar eles tem o melhor pão de queijo da cidade, e só isso deveria bastar para você ir até lá. Mas também vai ter baião de dois, porco de lata, ovo caipira e muito mais. Respeitando as raízes brazucas, lá não tem oficialmente um brunch, mas aos sábados o horário do café da manhã e do almoço se sobrepõem, e bem quando eles se intercalam dá para pedir dos dois menus.

Rua Dona Elisa, 117

H&M Café

Hoje em dia que o Shakshuka, ou variações, começaram a pipocar pela cidade, vale a pena falar: esse é o melhor que provamos. O prato (cuja origem é debatida entre oriente médio e mediterrâneo) é um refogado de tomate com pimentões com ovos. Além dele, o H&M também oferece lindas opções de bowls e toasts. Os café excelentes colocaram eles na nossa lista de melhores cafeterias da cidade.

O ambiente também é delicioso. O local é um dos “espaços” do bairro de pinheiro — nome jocoso que dou a esses locais que não tem uma função definida, já que também ele é uma galeria de arte, e ao fundo divide espaço com um cabeleireiro e uma loja de motocicletas. Ah, vale a pena chegar cedo porque brunchs e espaços de pinheiro são polos magnéticos de pessoas.

Foto: @adrianamarto

 

Factorio
O que mais amamos no Factório? 3 palavras: All Day Brunch. Lá você pode pedir de qualquer lado do cardápio em qualquer horário do dia, inclusive do menu do jantar no café da manhã. O ambiente também é uma delícia, tanto a decoração interna, quanto as mesas fora. O ideal é vir com uma galera e montar uma mesa linda assim.

R. Amauri, 244

Futuro Refeitório

O Futuro é aquele local hipster que você viu no instagram — eles usam até disketes dos anos 90 como comanda. A figura principal do cardápio de brunch são os pães, que juntamente com o café são as grandes delícias da casa. Quem comanda a padoca é a Hanny Guimarães que faz um dos melhores croissants de São Paulo. Durante o fim de semana aparece por lá os famosos cruffin, cruzamento entre o croissant e o muffin (foto), que teria tudo para ser uma besteira junk food americana, mas é feito com perfeição. Quem chegar num horário de tomar uns bons drinks, aproveitem o bar do Apothek.

Rua Cônego Eugenio Leite, 808

Botanikafé

O Botanikafé nasceu para trazer para pinheiros todos os bowls e avocado toasts que você passou os últimos anos salvando no pinterest. Bowl de Pitaya eles tem, claro (porém não é sem aditivos). Essa ressalva da Pitaya à parte, e a fila que forma em frente, eles tem um ambiente bem gostoso e um cardápio para todos os gostos, e um pão de queijo muito muito bom. E quem nunca pediu algo pensando que iria ficar bonito no instagram que atire a primeira pedra.

R. Padre Carvalho, 204